“Eis que conceberás no teu ventre e darás a luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus.” Lc. 1,28

 Segundo o dogma católico, a Imaculada Conceição é a concepção da Virgem Maria sem mancha do pecado original, do latim macula, por privilégio único de Deus e aplicação dos merecimentos de seu divino Filho.

No ano de 1476, o Papa Sisto IV definiu o dia 08 de dezembro como a Festa de Imaculada Conceição, antes mesmo da Virgem Maria se tornar um dogma.

Em 08 de dezembro de 1854, Pio IX, na Bula Ineffabilis Deus, cercado de cinqüenta e três (53) cardeais, de quarenta e três (43) arcebispos, de cem (100) bispos e mais de cinqüenta mil (50.000) romeiros vindos de todas as partes do mundo fez a definição do dogma da Imaculada Conceição de Maria, in verbis:

“Em honra da santa e indivisa Trindade, para decoro e ornamento da Virgem Mãe de Deus, para exaltação da fé católica, e para incremento da religião cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo, e com a nossa, declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda a mancha do pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, dever ser sólida e constantemente criada por todos os fiéis.”

Já em 11 de agosto de 1858, Nossa Senhora dignou-se aparecer milagrosamente quinze (15) dias seguidos, próximo da pequena cidade de Lourdes, na França, a uma pobre menina, de treze (13) anos de idade, de nome Bernadete.

No dia 25 de março do ano seguinte (1859), Bernadete suplicou a Nossa Senhora que lhe revelasse seu nome, e, após três (3) pedidos seguidos, Nossa Senhora lhe respondeu: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Assim, o dogma da Imaculada Conceição diz que, desde o primeiro instante de sua concepção, a Virgem Maria foi preservada por Deus, da falta de graça santificante que aflige a humanidade, porque ela estava cheia de graça divina; também professa que a Virgem Maria viveu uma vida completamente livre de pecado.

Maria Imaculada Conceição, rogai por nós!