“Ser Ministro da Comunhão é estar a serviço da comunidade, colocando-se à disposição de todos.”

Na Igreja Católica, o ministro extraordinário da comunhão é um leigo a quem é dada a permissão, de forma temporária ou permanente, de distribuir a comunhão aos fiéis.

Além de servir à comunhão, os ministros extraordinários da comunhão, também chamados de ministros da comunhão, têm como principal trabalho prestar assistência aos enfermos de nossa comunidade, que, não possuem condições de participar da Santa Missa.

Assim, os ministros da comunhão visitam nossos doentes periodicamente, levando a eles O Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, colocando-se a serviço da Comunidade.

Os ministros extraordinários da comunhão devem ser escolhidos entre os membros participantes da comunidade, e devem ser pessoas idôneas e com boas práticas cristãs.

Os candidatos escolhidos pelo nosso Pároco, antes de assumirem suas funções, recebem formação litúrgica e doutrinal que lhes permite exercer a sua função com a máxima dignidade e decoro.

Ao final desta formação litúrgica e doutrinal os candidatos são admitidos pelo bispo as funções de ministro da comunhão, cujo mandato tem duração de três (3) anos, podendo ser renovado por igual período.

Após a formação, é realizada uma celebração na qual o Bispo da Diocese realiza o envio e confere a cada ministro a função da comunhão, da palavra e das exéquias.

Recebido o envio, o ministro poderá realizar suas funções a serviço da comunidade.